FGTS para pagar dívidas: erro que pode comprometer ainda mais a economia

FGTS para pagar as dividas.

Dentro dos decretos econômicos que o presidente Michel Temer vai lançar para reaquecer a economia, um ponto nessa historia pode gerar bastante preocupação, a oportunidade de liberar até R$ 30 bilhões do FGTS para o abatimento da dívida de pessoas físicas com bancos.

Todavia essa ação esteja sendo tomada com a melhor das intenções, contudo é algo que pode gerar reflexos negativos no futuro. Os políticos não conseguem entender que o caminho para o crescimento do país esta na educação, nesse fato, na educação financeira, e mais uma vez a população corre o risco de perderem as suas garantias financeiras.

O FGTS vem sendo usado pelas pessoas como uma salvação e no meio deste ano foi disponibilizando também para garantir o crédito consignado, mas essas ações escondem alguns riscos. A ideia é que o trabalhador pudesse disponibilizar 10% do que tem depositado em seu Fundo, somado aos 40% de multa por ter sido despedido, como garantia ao financiamento que está contratando.

As pessoas não estão entendendo que o FGTS é uma garantia delas para o futuro. E por isso, na maioria das vezes, só pode ser usado em situações específicas. O FGTS basicamente é uma poupança que o trabalhador é brigado a guardar o seu dinheiro, então, não vejo com bons olhos o uso dos recursos para a amortização de dívidas.

fgts para pagar asa dividas.

As pessoas deveriam enxergar o FGTS como um investimento a longo prazo e deve ser encarado como uma reserva estratégica em caso de aposentaria ou demissão. Embora o rendimento da conta seja o menor de todos os outros tipos de contas, o FGTS é uma forma de forçar o trabalhador a ter uma poupança.

O que as pessoas precisam é de educação financeira, para perceberem o quanto é importante saber mexer com o dinheiro e o nosso pais parar de bater os recordes mundiais em inadimplência. Essa ação com certeza será benéfica aos bancos, mas, aos endividados o caminho é outro.

O que fazer para sair das dividas

Existem diversos tipos de caminhos para a pessoa sair do endividamento Pensando nisso, veja algumas orientações que indicam como resolver o problema definitivamente:

Se você possui diversas dívidas, mas ainda não está inadimplente, cuidado! Faça um levantamento sobre todos os valores da sua divida, e faça um planejamento de como sanar totalmente ou parcialmente a divida com parcelamentos por exemplo, para continuar adimplente.

Se já estiver inadimplente, faça um diagnostico da sua vida financeira, se conheça financeiramente e coloque no papel o quanto ganha e o quanto deve, para que você possar bolar um estrategia para quitação das suas dividas.

Faça um apontamento de despesas diárias, separado por tipo de despesas, durante os próximos 30 dias. Esse é o caminho para que fique tudo mais claro. Somente assim poderá cortar gastos e reduzir excessos;

Muitas vezes, é importante dizer “devo, não nego, pago, como e quando puder”. Nunca se deve procurar o credor (pessoa ou instituição para quem se deve) antes de ter domínio completo da sua situação financeira;

Priorize as dividas que os juros são mais altos.

Na hora de negociar, se for parcelar as dívidas, tenha certeza de que cabem em seu orçamento;

Reúna sua família, inclusive as crianças para elas começarem a aprender sobre finanças, e de como é importante a pessoa saber pagar as sua dividas. Saiba que, para pagar as dívidas atrasadas, terá que repensar o seu padrão de vida, pois a sua força de pagamento será reduzida nos próximos meses, com o inicio do pagamento das parcelas;

Não existe uma porcentagem exata do quanto terá que direcionar para pagar suas dívidas, isso dependerá do diagnóstico financeiro feito previamente;

Além de pagar as dívidas, procure guardar dinheiro para fazer suas próximas compras à vista e obter descontos. Mesmo endividado, inicie o projeto de vida de ser independente e sustentável financeiramente. E não se esqueça: é preciso respeitar o dinheiro e entender que ele é um meio e não um fim.

Seguindo essas orientações você verá que, independente da situação, sempre haverá uma solução.

Deixe uma resposta